Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ideologia de Género [Sexo]

A Ideologia de Género [SEXO] desintegra a família para parir um ser solitário e sem raízes: o consumidor e súbdito perfeito.

Ideologia de Género [Sexo]

A Ideologia de Género [SEXO] desintegra a família para parir um ser solitário e sem raízes: o consumidor e súbdito perfeito.

04.Fev.19

Regressão? Cura gay? Ou... Caça às “bruxas”?

26678428_166355570757286_3772840769169115734_o.jpg

 

A mentira mais perigosa é a que vem de alguém que nos parece credível.
Montar reportagens com frases e palavras, que depois interpretamos da forma que nos dá mais jeito, é a coisa mais fácil deste mundo e, quando trabalhamos para a imposição de uma agenda ideológica que paga muito bem e é promovida pelo Estado, quem é que nos vai fazer frente? Afinal, pensam alguns “jornaleiros” dos nossos dias, estamos do lado certo da força, certo?
ERRADO!
O lado certo da força é, sempre foi e continuará a ser, a VERDADE.
Aquilo, que ontem vimos na TVI e na TVI24, é um ataque cerrado a pessoas e a uma instituição — no caso, a uma religião [que nem sequer é a minha] que não se rende à cultura nem às pseudo-ciências na questão abordada — em prol da agenda ideológica de género LGBTQetc, que nos está a ser enfiada goela abaixo e a minar crianças, adolescentes e jovens, na Escola.
 
Ver a tentativa de queimar, literalmente, o Dr. Abel Matos Santos e a Dra. Maria José Vilaça em praça pública, é presenciar in loco um auto-de-fé dos tempos modernos. Parabéns aos dois acusados, que agiram como pessoas de bem e rejeitaram participar do circo que lhes havia sido montado.
Quanto aos outros dois profissionais de saúde, claramente pró LGBTQetc com a psicóloga a fazer parte da CAPAZES, que, claramente estavam mais preocupados com a fé da dra. Maria José Vilaça — como se uma pessoa não pudesse ser médico porque é católico, protestante, budista, etc. — têm a opinião deles e invocam a ciência onde ela nada pode dizer, pois, ao contrário daquilo que a psiquiatra disse: a prática de sexo heterossexual produz vida e a da homossexualidade só produz satisfação própria, portanto, uma é natural e a outra não. Ponto.
A homossexualidade é uma doença?
Para o cristão, que crê em Deus e na Sua criação, é pecado. Ora, como a Bíblia — que para o cristão é a Palavra de Deus — afirma que o pecado é a mais terrível doença, que contamina o género humano e a própria natureza, sim, podemos dizer que é doença, mas só nesse sentido. Infelizmente, muitos cristãos têm colocado o pecado da homossexualidade no topo da pirâmide, mas não deviam fazê-lo, pois é um pecado como muitos outros e, sim, já nasce com a pessoa, porque TODOS nascemos pecadores. Nuns, o pecado manifesta-se duma maeira, noutros, de outra.
E, porque é que é pecado?
«Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus.» (1 Coríntios 6:9)
 
Porque a Escritura, que para o cristão, repito, é a Plavra de Deus, nos diz que Deus criou o Homem e a Mulher para O glorificar e gozarem dEle para sempre. Como Criador, Ele uniu o Homem à sua Mulher e ordenou-lhes que se multiplicassem. Nada mudou. Ainda hoje, e até que Jesus Cristo volte e redima a criação caída — por causa da desobediência — o Criador exige que as suas criaturas Lhe obedeçam. Quando vivemos para satisfazer os nossos próprios apetites, sejam eles de que natureza forem, em detrimento do que Deus ordena, pecamos. Esta é a crença e a visão de qualquer cristão.
Onde está a tolerância — dos que tanto gritam por ela — para com pensamentos e modos de vida contrários aos que defendem?
A homossexualidade tem cura?
O apóstolo Paulo disse que sim, em Cristo:
 
«Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus.» (1 Coríntios 6:11)
 
Humanamente falando, não creio que haja “cura” ou sequer o desejo do próprio em deixar de a prática, até porque não vê qualquer mal na sua conduta.
 
Só Jesus Cristo pode salvar o ser humano do poder do pecado na sua vida. Ora, como cremos que tudo o que se desvia do plano e propósito de Deus para a sua criação é pecado, só mesmo o Autor e Consumador da salvação pode “curar” a homossexualidade e todos os demais pecados que aprisionam, oprimem e matam o ser humano.
 
É eticamente condenável não reconhecer que muitos homossexuais têm sido libertos da prática da homossexualidade, de acordo com os testemunhos que os próprios dão. É indecente afirmar que, entre pessoas sujeitas a “tratamentos” — que as próprias buscaram — há mais suicídios, mas nunca mencionar que o número de suicídios cometidos por homossexuais é muito mais elevado do que o cometido por heterossexuais. É reprovável nunca mencionar as doenças que a prática homossexual potencia nos seus praticantes, etc.
Culpar a “falta de tolerância” — quando, na verdade, querem dizer APROVAÇÃO E ELOGIO da prática homossexual — do elevado número de suicídios na comunidade homossexual, não é só ridículo, mas também perigoso.
Porquê?
Porque, de acordo com esse ponto de vista, se eu, cristã, me sentir perseguida porque me auto-percebo como cristã, defendo os valores cristãos e vejo a intolerância a abater-se sobre os cristãos, me suicidar... a culpa é dos islâmicos, dos ateus e das minorias, que não aprovam o que os cristãos pensam nem elogiam as suas práticas?
 
Posto isto, defendo que:
NINGUÉM é obrigado a procurar ajuda se crê que não tem problema algum e se sente bem.
NINGUÉM é obrigado a crer no cristianismo e nos seus ensinos.
NINGUÉM é obrigado a submeter-se ao que quer que seja, contra a sua vontade.
NINGUÉM deve impôr a alguém, adulto, aquilo que esse alguém não quer.
Não acredito em qualquer tipo de tratamento humano que cure o pecado no ser humano, seja ele qual for.
O que se passou ontem é INQUALIFICÁVEL!
 
Usar o sentimento de rejeição de alguém — que foi abandonado por quem pediu ajuda à igreja e à psicóloga — ou vice-versa — é de uma falta de isenção e rigor aterradores. Perceber que alguém se INFILTROU, fingindo procurar auxílio, e abusou da boa fé das pessoas com a intenção de denunciar algo em que não acredita, algo que parece ter resultado com quem buscou ajuda e não quis manter o relacionamento homossexual, é bárbaro. O jovem USADO não é católico romano, não acredita que a homossexualidade é pecado e rejeita que alguém possa mudar a sua orientação sexual, portanto, está mais do que claro que apenas quis vingar-se de quem aconselhou o ex-namorado de acordo com o que o próprio buscou.
 
As palavras da pessoa, que quis preservar a sua identidade, mas que invadiu, com más intenções, a privacidade dos outros: "foi complicado porque estava infiltrado e tinha que recolher imagens!" revelaram que o que a reportagem pretendia era levar o povo a acreditar nas concepções do próprio, compadecendo-se de um tão grande “amor”, e forçar a opinião pública a render-se ao lobby LGBTQetc, não só tolerando, mas também aprovando a conduta homossexual e elogiando-a.
Infiltrado? Por quem? Para quê? Isto dos directos...
Termino, dizendo que a perseguição, a caça e a tentativa de silenciar cristãos e não cristãos, que defendem a moral e os valores cristãos, ontem, deu mais um passo de gigante. Nenhum cristão, que realmente viva e entenda o Evangelho, odeia, persegue ou tenta forçar à conversão e à fé quem quer que seja. Cura do pecado — seja ele qual for — é obra de Jesus Cristo.
Amar os pecadores, orar por eles e pregar-lhe os Evangelho é a comissão dada a cada cristão pelo próprio Deus; convertê-los é obra divina.
Qualquer tentativa de forçar pessoas adultas a fazer algo que não querem, é violência e deve ser denunciada e criminalizada. Ajudar quem nos procura, como cristãos e, ou, profissionais de saúde conhecidos pela sua fé e pelo que pensam relativamente a certos assuntos, é um dever moral e cívico. Mal vai o mundo se um cristão não puder procurar um psicólogo cristão, e um não cristão procurar um não cristão...
 
Se o jovem INFILTRADO desejava aprovação para as suas práticas, qualquer um dos outros dois profissionais de saúde ali presentes, e muitos outros, o poderiam ajudar a sentir-se melhor consigo mesmo e a deixar de lado o desejo de vingança contra aqueles que, pelo que nos foi dado perceber, ajudaram quem os procurou a fim de ser de facto ajudado.
 
PS: A psiquiatra deveria saber que o cristão é um ser inteiro e não dualista. Ele vive e age como cristão em qualquer profissão, lugar ou contexto.
 
Dizer que ninguém pode ser feliz se não permanecer homossexual, que ninguém deixa de ser homossexual, que a homosexualidade é normal e até desejável, são OPINIÕES PESSOAIS. Continuarei a respeitar as pessoas, mas NINGUÉM me pode obrigar a defender, acreditar e concordar com as suas opiniões, da mesma forma que não obrigo NINGUÉM a concordar com as minhas.
 
A caça aos cristãos, que defendem os valores morais bíblicos, ontem, deu mais um passo de gigante e vai intensificar-se cada vez mais. Se nós, cristãos, não nos levantarmos contra esta tentativa de nos imporem uma ideologia desconstrutivista, silenciar e criminalizar, manifestando-nos nas urnas de voto no sentido de cortar os tentáculos do polvo — que é a ideologia de género — imposta pelas esquerdas encostadas a aprovada pelo silêncio ensurdecedor dos demais partidos representados no Parlamento, pagaremos um alto preço.
Tolerantes com as pessoas, sejam quais forem as suas orientações?
SIM.
Dizer amen ao que consideramos pecado e aceitá-lo como se as suas consequências não fossem tão trágicas?
JAMAIS.
«Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz (Porque o fruto do Espírito está em toda a bondade, e justiça e verdade); aprovando o que é agradável ao Senhor. E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as. Porque o que eles fazem em oculto até dizê-lo é torpe. Mas todas estas coisas se manifestam, sendo condenadas pela luz, porque a luz tudo manifesta.» Efésios 5:8-13

1 comentário

Comentar post