Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ideologia de Género [Sexo]

A Ideologia de Género [SEXO] desintegra a família para parir um ser solitário e sem raízes: o consumidor e súbdito perfeito.

Ideologia de Género [Sexo]

A Ideologia de Género [SEXO] desintegra a família para parir um ser solitário e sem raízes: o consumidor e súbdito perfeito.

07.Dez.18

ROUBARAM-NOS O ARCO ÍRIS!

 
 
«O meu arco tenho posto nas nuvens; este será por sinal da aliança entre mim e a terra. E acontecerá que, quando eu trouxer nuvens sobre a terra, aparecerá o arco nas nuvens. Então me lembrarei da minha aliança, que está entre mim e vós, e entre toda a alma vivente de toda a carne; e as águas não se tornarão mais em dilúvio para destruir toda a carne. E estará o arco nas nuvens, e eu o verei, para me lembrar da aliança eterna entre Deus e toda a alma vivente de toda a carne, que está sobre a terra. E disse Deus a Noé: Este é o sinal da aliança que tenho estabelecido entre mim e entre toda a carne, que está sobre a terra.» (Génesis 9:13-17)
 
 
Os promotores da ideologia de género e da agenda globalista, que se esconde por detrás da ideologia de género, sabem muito bem que, no final, a única cosmovisão que se oporá à ideologia de género e ao globalismo será o cristianismo. Portanto, há que se infiltrar na igreja, desarticulá-lo e rende-lo.
 
— Porque é que digo isto?
Eis dois motivos:
 
 
1) Já existem as Bíblias gays ou inclusivas. Pesquisem na Amazon.
Têm um capa bonita com o arco íris e, quando o texto bíblico afirma que a homossexualidade é pecado, aparece uma nota de rodapé a "clarificar" que o que o texto diz não é o que diz o texto.
 
Deixámos que o arco íris — sinal do pacto de Deus com Noé — nos fosse roubado pela ideologia de género, da mesma maneira que nos estão a roubar o sistema educativo, as instituições e, mais depressa do que queremos acreditar, a liberdade e a família. Por enquanto... roubaram-nos o arco íris.
 
 
2) Nos EUA já existe a "teologia" Queer.
— Não sabia?
 
 
É só ir ao site da Amazon e verificar por si mesmo os inúmeros artigos que já existem sobre "queer theology". O que é que afirma essa "tristeologia"?
 
  • Que Jesus era homossexual.
  • José, o marido de Maria — mãe de Jesus — era um modelo para pessoas Queer, ao quebrar as regras da sociedade unindo-se a Maria, sem se casar, aceitando-a grávida de outro formando assim novos tipos de família.
  • A Bíblia está cheia de histórias de amor homossexual (não as encontrámos em 2000 anos, mas esta gente conseguiu fazê-lo). Há um livro, El evangelio subversivo, de Tomás de Hans, que tenta fazer-nos acreditar que todo o evangelho é composto de maravilhosas histórias homossexuais das quais não nos tínhamos inteirado até hoje.

5a3c05a88543d_hanksG.jpg

 

 
Por ex., no comentário de Mateus, quando um Centurião se acerca de Jesus e lhe pede para curar o seu criado — Jesus cura-o — o autor dá-nos conhecimento de que, na realidade, o centurião era amante desse escravo bastante jovem. Nunca, em 2000 anos de cristianismo, alguém o havia descoberto ao ler os evangelhos, mas o livro do sr. Hans trouxe-nos essa informação. A explicação que dá para isso é... absurda. Graças a este "tristólogo" todos ficámos a saber que os oficiais romanos fugiam da rotina do matrimónio tendo um jovem amante em cada porto. O autor também afirma que, Jesus, ao curar o amante do centurião, bendisse e aprovou a relação homossexual do centurião com o seu amado escravo e posicionou-se contra todos o homofóbicos do seu tempo.
 
No evangelho de João, quando menciona Jesus e o discípulo amado, João, o autor blasfema e aponta-os como amantes. Por isso, afirma o autor, Maria aceitou João como filho após a morte de Jesus...
 
 
Amados cristãos: Está nas nossas mãos lutar contra o desconstrutivismo da fé cristã e da família, tal como Deus a instituiu. Não podemos aceitar heresias de réprobos, que procuram colar Deus e a Sua Palavra à sua promiscuidade.
 
 
O ARCO IRIS NÃO PERTENCE AO LOBBY LGBT.

85eba-11356548_504129039735792_1450241034_n.jpg

A BÍBLIA AFIRMA TAXATIVAMENTE QUE A HOMOSSEXUALIDADE É PECADO.
06.Dez.18

Porque é que EU NÃO SOU FEMINISTA?

— Porque sou CRISTÃ, MULHER, ESPOSA E MÃE. Sou de DIREITA, não de esquerda.

Sou CRISTÃ. Deus criou-me MULHER, ordenou na Sua Palavra que me casasse com um HOMEM, capacitou-me a ter filhos — depositados no meu útero pelo meu marido — sustentados durante 9 meses no meu ventre — por meio do cordão umbilical — e amamentados pelos meus seios.

Nasci MULHER, do SEXO feminino, não uma folha em branco onde feministas e ideólogos de género escrevem as suas próprias ideias e ideais.

Casei com um HOMEM, naturalmente, porque nasci com o SEXO preparado para receber o SEXO masculino, não porque me atribuíram uma identidade sexual na escola.

Sou MÃE porque casei com um homem e, naturalmente, o acto sexual amoroso e prazeroso, entre nós, resultou em FILHOS.

De DIREITA, porque abomino movimentos promíscuos contra a família a religião cristã e a propriedade privada.

Vejam o que é o feminismo numa página feminista: 
https://www.facebook.com/Feminismo10/

 

46493682_948628268665560_2745135575668359168_n.jpg

 

06.Dez.18

A demência das feministas em todo o seu explendor:

 

A mulher islâmica, OBRIGADA a usar Hijab ou Burka, fá-lo porque SE SENTE BEM, não porque é oprimida. 
A mulher islâmica, que apanha porrada do marido sempre que ele entender e não pode sequer queixar-se, não é oprimida, SENTE-SE BEM. 


A mulher islâmica, que não pode olhar um homem estranho nos olhos, nem sequer falar com ele a sós na rua — sob pena de ser apedrejada até à morte — SENTE-SE BEM, não é oprimida.


A mulher islâmica, que é obrigada a aceitar que o marido tenha outras mulheres (para as feministas deve ser poliamor), mas que é apedrejada até à morte se se atrever a ter outro homem, não é oprimida, SENTE-SE BEM.


A mulher islâmica, que não pode escolher o homem com o qual vai casar, não é oprimida, SENTE-SE BEM.
A mulher islâmica, que não pode estudar e é OBRIGADA a ficar em casa cuidando dos filhos e do marido, SENTE-SE BEM, não é oprimida.

 

Claro que a mulher não-islâmica é oprimida em qualquer uma destas situações, certo?

 

Ela é oprimida se usar cabelo comprido (nem imagino se usasse véu), se apanhar do marido, se for olhada por um homem estranho, se for a única mulher do seu marido, se escolher o marido, se ficar em casa a cuidar dos filhos... Se fizer escolhas pessoais contrárias aos ideários feministas.

 

A mulher islâmica deve olhar para as feministas e pensar: prefiro a opressão na qual vivo do que a cegueira dessas cabeças ocas.

 

Ei, feministas, se esta insanidade é a vossa desculpa para não gritarem pelos direitos das mulheres nos países onde elas não têm direito algum... Não cola. Graças a Deus, ainda há mulheres que pensam e não são massa de manobra socialista como vocês.

 

PS: Acredito que há mulheres islâmicas que vivem menos oprimidas e que gostam da forma como vivem, mas a regra é essa.

Imagem retirada duma página que é um vómito: https://www.facebook.com/Feminismo10/?tn-str=k*F

 

46472439_948649198663467_4264321368608210944_n.jpg

 

06.Dez.18

Género não é sobre diversidade

«A teoria radical de género não é sobre diversidade, é sobre conformidade com um ponto de vista ideológico muito limitado.»

Um ponto de vista que rejeito totalmente, pois rejeito o socialismo em todos os seus disfarces.

47352452_1994253147354469_2606939191828807680_n.pn

 

06.Dez.18

Ninguém decide ter um útero.

«A sexualidade humana é binária. Está implícito que está em todas as células do nosso corpo. O sexo não é definido pelas pessoas, declara-se a si mesmo.»
Tipo: Nasceu, tem pénis, é um menino.
Nasceu, tem vagina, é uma menina.

É por isso, porque nascem homens ou mulheres, que as pessoas têm aparelho reprodutor masculino ou feminino. Ninguém decide ter um útero.

 

47680216_1995497450563372_6595192578184839168_n.pn